Os hoteleiros devem atribuir um nome aos seus chatbots?

Should hoteliers name their chatbots_
tiago-araujo
Junho 15, 2022

Os chatbots, na sua essência, são assistentes pessoais virtuais. A verdade é que as interações entre o utilizador e o chatbot podem durar apenas alguns segundos e, com um período de interação tão baixo, é fundamental para o hotel proporcionar uma rápida sensação de simpatia no local.

Com o poder da IA, os chatbots estão a ser projetados para imitar as interações humanas para que o utilizador sinta que está a conversar com um humano real, mesmo sabendo que não está.

O nome do chatbot é uma das primeiras coisas que o utilizador lê quando começa a conversar com o seu hotel; portanto, se o seu chatbot for chamado de assistente pessoal ou chatbot de front-office, irá parecer automaticamente impessoal.

Porque é que os hoteleiros atribuem nomes aos seus chatbots?

Atribuir um nome ao chatbot do hotel pode ajudar os hotéis a acrescentar mais significado à experiência do hóspede: 

  • Humanizado – Quando os chatbots têm nome, os hóspedes acham-nos mais humanizados e, consequentemente, tendem a interagir mais e ter uma experiência melhor.
  • Acessível – Um nome cria identidade. E a identidade leva à familiaridade. Por esse motivo, os chatbots com um nome parecem mais acessíveis aos hóspedes.   
  • Personalizado – Atribuir um nome ao chatbot do hotel é uma boa prática para personalizar as conversas com os clientes. Esses assistentes virtuais são capazes de construir um vínculo instantâneo com quem quer que interaja.  
  • Natural – Os hóspedes nunca se sentem à vontade para falar com um robô. No entanto, quando o bot tem um nome e usa um discurso humanizado, a conversa parece muito mais real.

As mulheres são a maior parte da força de trabalho da indústria de alojamento do Reino Unido

Segundo o Statista, o setor de alojamento no Reino Unido é composto por 56% de mulheres e 44% de homens. De facto, em junho de 2017, cerca de 261 000 mulheres trabalhavam no setor de alojamento do Reino Unido, em comparação com 206 000 trabalhadores do sexo masculino.

Agora a pergunta é: as tendências de atribuição de nome de assistentes virtuais seguirão estas estatísticas?

Tendo em consideração os dados da HiJiffy, a resposta é sim. Atribuir ao chatbot um nome feminino também parece ser a tendência. 

63% dos chatbots de hotéis têm nomes femininos

De facto, 63% dos clientes da HiJiffy atribuem um nome feminino aos seus chatbots. 

Alguns dos nomes de chatbots femininos que podemos encontrar entre os clientes da HiJiffy são: Alice, Bella, Carrie, Charlotte, Eva, Maria ou Julia.

Por outro lado, apenas 1 em cada 3 chatbots de hotel tem nome masculino.

Alguns dos nomes de chatbots masculinos que podemos encontrar entre os clientes da HiJiffy são: Bob, Gorka, Henry, Oscar, Robert ou Steve.

Mais do que um nome, um posicionamento

“Ao atribuir nomes aos seus chatbots, os hoteleiros devem ter em mente que um nome engraçado dará a sensação de que seu hotel é um hotel informal e um nome formal de chatbot fará com que o utilizador se sinta da mesma forma“, aconselha Tiago Araújo, CEO da HiJiffy. 

“Para fugir à dicotomia homem vs. mulher, os hoteleiros podem adaptar o nome do hotel a um nome de chatbot. Se o nome do hotel for “Cool Hotel”, então talvez o chatbot possa ter o nome Cool… certo? Na HiJiffy, temos hotéis como o Reserva Alecrim, cujo chatbot tem o nome Alecrim, ou os Hotéis Vila Galé, cujo chatbot tem o nome Galé“, acrescenta.

tiago-araujo
Co-Founder & CEO

Quer receber insights exclusivos sobre Gestão Hoteleira?

Junte-se à nossa lista e aceda aos melhores artigos todos os meses.

Newsletter